Tencionava escrevê-lo no dia do teu aniversário, mas não tive coragem. Pensei que seria um pouco embaraçoso escrever-te algo. Aliás, nunca o fiz para alguém da família. Estes últimos tempos tenho aprendido imenso, acredita. Apesar de não o mostrar, aprendi. Estou mais velha, apesar de continuar as mesmas birras que todas as semanas se repetem. É da idade, como toda a gente. Agora, percebo o teu valor. A morte da avó foi algo que abalou bastante as nossas vidas, principalmente a tua. Eu reparo nisso, de facto surpreendeste-me. Não esperava isto de ti. Eu sempre soube que não eras de ferro, mas nunca pensei que te afectaria desta maneira, tão forte emocionalmente. Por vezes, tenho imaginado a dor que tens passado, simplesmente tento imaginar, mas não consigo. É insuportável! Nem conseguirei imaginar como será... e para te ser sincera não tenciono sentir algo parecido, brevemente. Apesar de quase todos os dias ser uma idiota em casa, contigo, com tudo. Tu sabes como é que, é difícil de lidar comigo. Eu estou a tentar melhorar, juro-te. Apesar, de o meu feitio não ajudar, afinal de contas, tenho a quem sair, não é verdade? A partir de agora gostava de ajudar mais. É algo que estou em dívida para contigo, penso isso. Nesta casa sempre foste o pilar principal dela. Quando surgia algo, eras sempre tu que mantinhas o equilíbrio. Sei o quanto eu e o pai, somos difíceis de aturar, mas todos os dias depois de vires do trabalho lá vêm a desgraçada aturar-nos. Depois dum belo dia de esforço e cansaço. Admiro-te imenso, és uma mãe espantosa! Acredita em mim, não estou a dizê-lo, para dar graxa como tu às vezes pensas. Digo-te, por vezes, em tom de brincadeira para não levares tão a sério, e não me sentir tão embaraçada. Todos os filhos dizem ou pensam que têm a melhor mãe do mundo, não será errado se eu pensar o mesmo acerca da minha, pois não? Afinal, és minha mãe e para mim serás sempre a melhor do mundo! Tens-me dado sempre tudo o que precisei, não me posso queixar. Sou bastante mimada, em absolutamente tudo. Todos os meus caprichos são concretizados. Tive sorte em ter uma mãe como tu. Há muitos que desejavam ter uma e não a têm. Eu tenho essa sorte, de te ter. Sempre depositas-te confiança em mim, isso importa bastante para mim. Confias em mim! És liberal, e dás-me a minha liberdade. Claro com regras, mas eu agradeço-as. Por vezes posso ficar irritada ou chateada pelo facto, de não me deixares sair naquele dia, ou pedir-te para me deixares sair à noite e não deixas... naquele momento vou para o quarto enfunada. Mas agradeço! Sei que me faz bem ter limites, e tudo tem a sua hora. Obrigada por teres sempre um pouco de paciência para mim, de me ajudares em tudo o que podes e por seres a mãe que és!
Afinal de contas, mãe há só uma!
Adoro-te, mamã!
(Já o fiz à um ano atrás, mas só hoje tive coragem de o publicar. E hoje fazes anos. Já agora, muitos parabéns Mãe! És uma mãe magnífica.)



Muitos beijinhos da tua filha, Sara

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Para bom entendedor, meia palavra basta»

Biografia

A minha foto
Natural de Neuchâtel, Suíça. Actualmente, vivo em Coimbra, Portugal.

Apreciadores