Apaixono-me um pouco mais, em cada noite. Sou sempre a primeira a ter o pijama vestido, e os dentes lavados. Deito-me, à tua espera. No instante seguinte, deitas-te sorrateiramente, pensando num: “não a quero acordar”. Ficas muito quietinho, à espera que eu me vire para o teu lado. Num ápice, viro-me, e encontramo-nos, olhos nos olhos. Com um sorriso maroto, pensas tu: “afinal, estavas acordada”. Esticas o corpo, e eu rendo-me. Coloco a minha cabeça, e as minhas mãos no teu peito, encosto-me o máximo a ti. E é aí, que começas a cantarolar-me muito baixinho. É impossível contrafazer, ou contradizer. Estou, por completo, rendida. Colocas a tua mão, lentamente, em volta da minha cintura. E durante toda a noite, aí permanece. Afastas-me o cabelo com a outra mão, e eu estico-me o máximo, até alcançar o teu rosto. Correspondes-me com um beijo, sem fôlego, e bastante entusiasmado. Volto a deitar-me em teu peito, e embalas-me. Acabas sempre, por repercutir o mesmo:
– Dorme bem…
Mas deixas sempre uma ideia no ar, nunca percebi bem o quê. Tenho a sensação que te falta coragem, de dizer algo mais. Um dia destes, quando o cansaço não vencer tão cedo, irei perguntar-te, se queres dizer-me algo mais. Volto a observar-te, inclino o rosto para cima, e sorrio-te de relance, e volto à posição anterior. Respiro fundo, e deixo-me levar. Pela tua cantoria suave, e pelas tuas mãos carinhosas. Nunca adormeci duma forma tão boa. Já não imagino adormecer doutra forma, a não ser desta.
Adoro aqueles momentos, em que perco a noção do tempo, solto as minhas gargalhadas sem pensar duas vezes, e esqueço-me dos modos de etiqueta. É agradável errar, por vezes. Pedir desculpa, arrepender-se. É um enorme sinal de coragem, destimidez, valentia. É bom, dizer uma ou duas palavras sem pensar, agir de cabeça quente. Coisas insignificantes da vida. Afinal, se fôssemos perfeitos, jamais teríamos que aprender, sofrer, ou tirar partido de algum acontecimento menos apropriado. Sinceramente, não errei em tantos aspectos, como pensei que iria errar. Tenho-me safado bastante bem, na qual designamos “vida”. O meu único defeito é reservar-me muito, restringir-me a pequenos momentos, e guardá-los com toda a minha força no coração, e não ter coragem para avançar. Tenho receio de abrir o meu coração a outro alguém. Abri-o duas vezes, abri-o de duas formas diferentes, para duas pessoas completamente opostas. E no fim, estatelei-me por completo no chão, e saí com o coração e a alma, totalmente torturados. Dizem que temos que aprender com a dor. Bem, o que eu aprendi com isto tudo, só foi fortalecer mais a minha personalidade, a minha ideologia. Reservar-me a mim, e somente a mim. E nunca, mas nunca entregar-nos de forma total a algo, ou a alguém. Ainda tenho uns bons anos pela frente, e tenho alguém que me espera. Alguém que espera o meu coração, e anseio que seja bem tratado. Não sei quem é esse alguém. Não o desconheço de todo. Apenas desconheço o seu nome, o seu rosto e seu amor. Mas brevemente terei conhecimento, dele e duma nova parte de mim. Uma parte de mim, que ainda não renasceu. Mas irá renascer.

Quero-te repleto de arcaísmos, inteligência, e doçura. Espero que saibas apreciar arte, seja ela, pintura, cinema, música ou literatura. Podes até, sussurrar as mais belas citações, dos grandes príncipes, ou a bela poesia que designa sentimentos, sobretudo o “amor”. Puxar-me para o teu peito, e permaneceremos em silêncio, apenas com a melodia, dos nossos corações palpitantes, desordenados e ansiosos. E antes de tudo, que me beijes a testa e me digas o quanto me amas. Todos os dias. Sem hesitação. Que tenhas um belo sorriso, e uma personalidade poderosa. Que sejas sobretudo espontâneo, romântico, persistente, lutador, corajoso, adulto… e belo, à tua maneira. E assim, serás o homem da minha vida

Biografia

A minha foto
Natural de Neuchâtel, Suíça. Actualmente, vivo em Coimbra, Portugal.

Apreciadores