A saudade é como a felicidade, até a um certo limite é merecedora. Depois, é exagerada. Na opinião dos outros, já não mereces nada. Era simples, concordar com eles, e ignorar tais factos. É pena, que não consiga. Era agradável dizer que já passou, e não volta. Aceitar, e seguir em frente. Pediste-me algo impossível. Lamento, dizer-to. Não foste o único, é verdade. Todos os dias, alguém se dirige a mim, com um tom frio e diz que não vale mais a pena. Mas, serão eles que sabem o que vale, ou não? Neste assunto, deveria ser eu a decidir. Aliás, a decisão já foi tomada, à imenso tempo atrás. Nada se reverteu, nem nada se irá modificar. O tempo não volta a atrás, mas isso não significa que as pessoas sejam esquecidas, ou ignoradas. O próprio tempo, normalmente, ajuda a sarar as feridas, facilita o esquecimento, e termina com o que perdurou sem regras, colocando um ponto final nele. No meu caso, o tempo colocou umas simples reticências, e não irão terminar. Ficou algo indeterminado, algo indefinido. Ainda hoje, continuo na dúvida. Se o que vivemos terá sido realmente sentido, verdadeiro. Tentei de tudo um pouco, e nada resultou. Estarei eu, a lutar por algo que não tem retoma? Talvez, esteja. É doloroso ver-te diariamente, perto de mim, e não puder ir ter contigo. É irracional, persistir este tipo de sentimentos, se não existe uma retribuição. Quem me dera, que estivesses a mentir. Quem me dera. Nem imaginas o quanto. Antigamente, a tua teimosia ganhava sempre. Será um reflexo do passado? Gostava que fosse, porque só quer dizer, que iremos ficar, novamente, bem. Iremos ficar juntos. Como sempre gostamos, como sempre quisemos. Uma parte de mim – enorme, aliás – diz que as coisas acabaram, de vez. Mas essa enorme parte, sempre me tentou iludir, para facilitar os momentos de dor, de saudade. Julgas que para mim, é tudo fácil, que não me custa, não te ter? Para ti, sempre o foi. Para ti, jamais houve dor, saudade, vindo da minha parte. Óptimo. Nunca desejei nada desta magnitude a outro ser. Não é nada agradável. E eu sempre quis, – e ainda hoje, quero – o teu bem-estar. Ainda não te acreditas que és tão importante, pois não? Será preciso passar o resto da minha vida, a dizer-to… e mesmo assim, no último dia, custará a perceber, não é? Pois, és mesmo tu. Típico, vindo da tua parte. Só quero que saibas, que mesmo, que não queiras saber mais de mim, que já não me ames, nem algo do género, quero que saibas, que eu não mudo nada do que senti até ao dia de hoje. Lembra-te, que: amar-te-ei para sempre.

Sem comentários:

Enviar um comentário

«Para bom entendedor, meia palavra basta»

Biografia

A minha foto
Natural de Neuchâtel, Suíça. Actualmente, vivo em Coimbra, Portugal.

Apreciadores